História

por Interlegis — última modificação 19/09/2017 16h39
Terras descobertas por volta de 1868 por missionários capuchinhos, entre eles frades Davi de Umbértide e Paulo Antônio Casanova. Este último deu o nome ao município. Mas essa história começa muito antes. Quando os capuchinhos chegaram encontraram os índios comandados por Imbiracema. O lugar era conhecido como as ‘matas de Itabaiana', uma região propícia para o cultivo do algodão e a criação de gado. Além de índios, muitos ‘brancos' da crescente Vila de Itabaiana iam para lá. Por causa dos jenipapais, o lugar era conhecido como Chã de Jenipapo. Em Itabaiana, os frades Paulo Casanova e Davi de Umbértide foram convidados por José Alves Teixeira e Brás Vieira de Matos, proprietários de terras em Chã de Jenipapo, para conhecer o lugar. Foram e ficaram. Providenciaram madeira e ergueram a capela de São Paulo. Naquela data comemorava-se o dia do apóstolo Paulo de Damasco. Também colaboraram para a formação do povoado, Antônio Teixeira, Lourenço da Rocha Travassos e Tomaz de Aquino e Silva. Nossa São Paulo O povoamento de Chã de Jenipapo passava a ser conhecido como aldeia de São Paulo. Em 29 de abril de 1886, o presidente da Província de Sergipe, Manoel de Araújo Góes, transforma a povoação em freguesia de São Paulo. O capitão João Tavares da Mota foi um dos maiores responsáveis pelas edificações do povoado. Nesse período, também fixa residência na região um judeu francês Goottchaux Ettinger, que montou a mais importante indústria descaroçadora de algodão. Em 1890, com a chegada da República, o governador do Estado, Felisbelo Freire, atendendo a pedido do capitão Antônio Cornélio da Fonseca, transforma a freguesia em Vila de São Paulo de Itabaiana. Em 23 de outubro de 1920, por forte influência de um dos filhos mais ilustres de São Paulo, o engenheiro Gentil Tavares da Mota, a vila muda para cidade. Em 2 de março de 1938, por causa da repetição de nomes, São Paulo do sertão sergipano ganha o nome de Frei Paulo, homenagem ao seu fundador. Por algum tempo, os que nasciam lá eram chamados de paulistanos. Depois da mudança de nome para Frei Paulo, surgem os apelidos de ‘São Paulo moleque' e ‘São Paulo calça curta', mas oficialmente os nativos passam a se chamar frei-paulistanos. CAMINHO DO DESENVOLVIMENTO Em 1938 assume o primeiro prefeito de Frei Paulo, Napoleão Emygdio da Costa. Mas antes disso, o município ficou de 1893 a 1935 sob o comando de 18 interventores. O primeiro prefeito eleito foi Izauro Soares. A eleição aconteceu em 1947. Frei Paulo chegou a ter três grandes jornais: O Paulistano, O Binóculo e Ação Jovem. Os dois primeiros foram fundados pelo jornalista Josias Ferreira Nunes. Os jornais divulgavam as notícias da cidade e eram também um grande instrumento literário. O município ainda teve um núcleo jornalístico, uma espécie de associação de defesa dos jornais. Em 25 de abril de 1918, Josias Ferreira Nunes fundou o Clube Literário Sílvio Romero. Ele foi cenário para grandes debates culturais e recitais de poetas como Issac Ettinger, Tica Borges e Ariston Cerqueira. Outro ponto importante é a formação da banda de música do município. Em 1876 nascia a Lira Sagrado Coração de Jesus. Em 1909, aparece a Lira Nossa Senhora da Conceição. As duas rivais travam grandes batalhas musicais. Em 1923, elas se unem e surge a União Lira Paulistana, que existe até hoje e tem o comando do maestro João Alves de Oliveira, o João de Santa, uma lenda viva da história de Frei Paulo. O município tem ainda o Paulistano Futebol Clube, fundado em março de 1923, que chegou a ser campeão amador estadual em 1978. Frei Paulo possuiu três cinemas: Elite, São Luiz e Continental. Quem foi o fundador do município? O nome de batismo era Estevão. Nasceu em 1º de dezembro de 1813 em Gênova, Itália. Foi ordenado sacerdote em 1837 e ganhou o nome de frei Paulo Antônio Damele de Casanova di Rovegno. Em abril de 1844, parte para o Brasil. Veio direto para a Província do Espírito Santo. Foi ele quem construiu a matriz de Itapemirim. Em 1855 ele chega às terras sergipanas. Frei Paulo ajudou a levantar as igrejas em Cristinápolis, Pacatuba e Porto da Folha, e ergueu a Santa Casa em Laranjeiras. Em 1872 ele foi nomeado para ser o superior dos capuchinhos em Salvador, na Bahia. Em 30 de janeiro de 1891, Frei Paulo morreu no bairro da Piedade, em Salvador. Além dele, merecem destaques na história de Frei Paulo o frei Francisco Freire de Menezes, o padre José Antônio Leal Madeira, o padre Luiz Gonzaga, o frei José de Monsano, o frei Boaventura M. de Itabaiana, o padre João Lima Feitosa, entre outros.
joao inacio
joao inacio disse:
30/10/2019 20h55
prefeitos que passaram por frei pauo
Adicionar Comentário

Você pode adicionar um comentário preenchendo o formulário a seguir. Campo de texto simples. Endereços web e e-mail são transformados em links clicáveis.